Publicado em 24/11/2014

Pesquisa da FOB/USP é finalista no Prêmio Saúde

Foto: José Roberto de Magalhães Bastos, Magali de Lourdes Caldana, Agnes de Fátima Faustino Pereira, Thiago Cruvinel da Silva, Ana Carolina Magalhães, Cristiane de Almeida Baldini Cardoso, Marília Afonso Rabelo Buzalaf e Aline Rogéria Freire de Castilho
Foto: José Roberto de Magalhães Bastos, Magali de Lourdes Caldana, Agnes de Fátima Faustino Pereira, Thiago Cruvinel da Silva, Ana Carolina Magalhães, Cristiane de Almeida Baldini Cardoso, Marília Afonso Rabelo Buzalaf e Aline Rogéria Freire de Castilho

A pesquisa “Verniz de xilitol: uma nova estratégia preventiva para cárie dentária” é finalista na categoria Saúde Bucal e concorre ao Prêmio Saúde 2014, promovido pela revista Saúde, da Editora Abril.
Realizado desde 2005, o trabalho é uma reunião de pesquisas que vem sendo desenvolvidas e coordenadas por Marília Afonso Rabelo Buzalaf, professora do Departamento de Ciências Biológicas da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da Universidade de São Paulo (USP). 
O trabalho também conta com a participação dos seguintes pesquisadores: Cristiane de Almeida Baldini Cardoso, Aline Rogéria Freire de Castilho, Ana Carolina Magalhães, Agnes de Fátima Faustino Pereira, Thiago Cruvinel da Silva, Magali de Lourdes Caldana e José Roberto de Magalhães Bastos.
Segundo a professora Marília Buzalaf, na categoria Saúde Bucal o trabalho da FOB foi selecionado entre mais de 400 inscritos e agora concorre ao prêmio com outro trabalho selecionado.
O evento de premiação será realizado no dia 25 de novembro, às 19h, no Teatro do Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.
Informações adicionais no site: http://www.premiosaude.com.br

A pesquisa
A ideia de desenvolver o verniz de xilitol surgiu na busca de medidas simples para prevenir a cárie dentária e otite média. Inúmeros estudos científicos utilizando o xilitol comprovavam seus benefícios para a prevenção de ambas as doenças, porém, a forma pelo qual o xilitol era administrado inviabilizava sua utilização na prática clínica.
Para alcançar o efeito antimicrobiano desejado, os estudos utilizavam a ingestão de aproximadamente 3 a 5 gomas de mascar contendo xilitol por dia. O desenvolvimento de um verniz contendo xilitol foi uma solução para manter a liberação de xilitol na cavidade bucal por maior tempo, sem a necessidade de utilizar gomas de mascar, tornando-se assim, seu uso mais viável e eficaz clinicamente.

Mecanismo de ação do xilitol
O xilitol é um açúcar naturalmente encontrado em muitas plantas e frutas e que também pode ser produzido industrialmente. Classificado como pentitol, suas propriedades químicas favorecem sua ação como antimicrobiano. 
O xilitol age interferindo no metabolismo bacteriano sendo necessário sua permanência nos locais onde essas bactérias estão presentes, ou seja, é necessário que o xilitol permaneça na cavidade bucal por maior tempo possível.
Os principais microorganismos causadores da cárie dentária são os Streptococcus mutans e Streptococcus sobrinus e um dos causadores de otite média é o Streptococcus pneumoniae.
De uma forma simples, o xilitol é considerado “tóxico” para essas bactérias. Ao incorporarem o xilitol, essas bactérias não conseguem produzir ATP – energia necessária para seu crescimento e desenvolvimento e como consequência elas morrem. Esse mecanismo de ação do xilitol sobre as bactérias é conhecido por “Ciclo Fútil”. 

Crédito da foto: Calil Filho
 
Jornalista Responsável: Marianne Ramalho. Mtb. 15.744
Fones: (14)3235-8385 ou (14)98143-4517
e-mail: marianne@ccb.usp.br  www.ccb.usp.br  

mais notícias